Woslom – “Paranoia” EP (2019)

Woslom – “Paranoia” EP (2019)
Punishment 18 Records/Shinigami Records
Thrash Metal

Grade: 9.5/10.0

Antes de escrever qualquer coisa para esta resenha, devo confessar o quanto estava assustado quando decidi fazê-la, afinal não é fácil falar de uma banda do nível do Woslom. São mais de 10 anos de estrada, entre turnês dentro e fora do país e 3 álbuns matadores. Sem contar a lenda que eles se tornaram no underground nacional, não só pela música, mas também pela postura profissional (algo em falta no Brasil) e pela simpatia como pessoas. Chega de rasgar seda e vamos ao que interessa.

Este EP trouxe três novas músicas que exploram o que o Thrash Metal e o Woslom têm de melhor, incorporando até um pouco de Heavy Metal clássico, mas de forma bem diluída. A faixa de abertura, a “Paranoia”, já mostra o que podemos esperar do álbum, que são riffs insanos e rápidos, a marca registrada do quarteto. É surpreendente a capacidade de Rafael Iak e Silvano Aguilera em tocar notas tão difíceis e poderosas, que lembram os primeiros álbuns do Megadeth. O baterista Fernando Oster fez um ótimo trabalho intercalando passagens de bumbo duplo com quebradas típicas do estilo, dando uma empolgação a mais no som. Outro ponto alto são sempre os solos matadores Iak, que alternam técnica e bastante pegada.

“Game Over”, segue numa estrutura semelhante, com riffs que exploram mais o peso e as linhas de baixo do grande Andre Mellado, que contou com solos curtos e isolados, ajudando a deixar tudo mais complexo. Eu percebi que essa música abre espaço para Silvano explorar mais um lado melódico de sua voz. A última das faixas inéditas é a “Suffering Myself”, que incorporou um pouco do bom e velho Judas Priest nas guitarras, no início da música. A cadência mais lenta e as belas harmonias conectam-se a vozes mais limpas, o que remete um pouco a algo de Testament. O álbum termina com o cover de “High Voltage”(AC/DC) e acredito que não preciso explicar o que é ouvir o Woslom colocando toda a agressividade que conhecemos deles numa banda como AC / DC.

Assim como o último álbum “A Near Life Experience” (2016) misturou um Thrash Metal mais visceral de “Time to Rise” (2010), com as estruturas complexas de “Evolustruction” (2013), este EP também mostrou um pouco dessa mistura, adicionando alguns elementos novos que flertam com outros estilos, como o já mencionado Heavy Metal tradicional. A produção optou por um som mais cristalino e que nos permite escutar nota por nota de todos os integrantes. Novamente a capa ampliou e ilustrou bem o conceito do álbum, com uma escada tortuosa e um olho no meio, dando uma sensação de vertigem.

Criativo, técnico e pegado. Essa é a sonoridade que o Woslom impõe. Mesmo que tenha poucas faixas inéditas, “Paranoia” deixa a curiosidade de quão longe eles ainda podem ir. Basta esperar pelo o próximo álbum completo.

Victor Augusto

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *