Legacy of Kain – “Paralelo XI” (2019)

Legacy of Kain – “Paralelo XI” (2019)
Thrash Metal/Groove Metal

Nota: 9,0

Uma das memórias que eu desejo manter viva em minha mente, enquanto eu tiver alguma sanidade mental, é o dia em que ouvi este álbum pela primeira vez. Antes, deixe-me contar algumas coisas. Eu me lembro quando resenhei o disco de estreia, “I.N.V.E.R.S.O.” (2017), onde ainda cantavam em português. Na época eles haviam recém iniciado as atividades e tratavam sobre questões políticas e humanas. A música em si era bem voltada para o Metalcore, embora já tivessem o Groove e o Thrash Metal em sua sonoridade. Poucos anos se passaram, mudanças de formação e as coisas mudaram para os curitibanos do Legacy of Kain.

O título do álbum é uma referência ao massacre brasileiro que quase dizimou a tribo indígena Cinta Larga, em 1963. A ganância política incentivou pessoas que estavam interessadas em seu território, o que tornou este capítulo da história brasileira tão vergonhoso que é até difícil encontrar detalhes a mais sobre isso. Não estamos diante de uma obra conceitual, mas as principais músicas retratam o clima pesado desse genocídio.

O som das crianças felizes e brincando em “The Nightmare” e as notas limpas que abrem “This Pain Is For Me And You” rapidamente mudam para uma energia densa quando Karim Serri explode os seus ouvidos com uma avalanche de riffs viscerais, que, aliado a pegada forte do baterista Tiago Rodrigues e a voz profunda de Markos Franzmann fazem a casa vir abaixo. Peso, boas quebradas de ritmo e melodias bem encaixadas são exemplos do que você escutará por aqui.

O lado Thrash Metal mais presente nesse álbum dá as caras em músicas rápidas como “Worse Days Will Come” e “The Throne”, mostrando a ideia do que está por vir. “Indigenous Pride” começa a entrar a fundo no derramamento de sangue, igual “Split in Half”, com um breve início depressivo e que conta com Fernanda Lira (Nervosa) como convidada especial. O vocal de Fernanda no estilo Chuck Schuldiner dá um bom contraste a Markos, aumentando a raiva do tema lírico. “The Genocide” é uma espécie de introdução com cânticos indígenas, até que sons de aviões e espingardas seguidos por gritos de terror abrem espaço para que “Paralelo XI” comece. Essas são as faixas mais notáveis dentro do tema principal. É claro que existem outras importantes, como “The Promised You Made” e “Disease”, que não fogem do assunto principal, mas falam sobre isso de uma maneira diferente.

Respondendo à pergunta que fiz antes. Impressionado!!! Sim, impressionado é como me senti quando ouvi esse álbum pela primeira vez. Não conseguia acreditar que era a mesma banda que ouvi dois anos antes e no quanto evoluiu em tão pouco tempo. “Paralelo XI” é como a trilha sonora em vários capítulos, onde o grupo trouxe não só toda a raiva e sofrimento, mas também momentos de perseverança ao clima do som. De alguma forma, eles fizeram o seu protesto político, em uma maneira musical, sobre problemas que acontecem até hoje. Este lançamento também mostra uma banda mais poderosa, experiente e que vai surpreender a todos vocês.

Victor Augusto

https://www.facebook.com/legacyofkainbrazil/
https://www.youtube.com/channel/UC0wep2AOJt5YzM41toDCiqg

3 Comments:

  1. A sua resenha me fez sentir a música como se a estivesse escutando agora. Excelente resenha!

  2. Victor,
    Nao conhecia a banda, e depois desta resenha tive que escutar.
    Concordo com voce: Impressionante é a palavra.

    Impecavel resenha para um impecavel trabalho

    Saludos desde Chile

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *