Ten Richter – “Epicentro” (2016)

Ten Richter – “Epicentro” (2016)

Heavy Metal/Progressive Metal/Power Metal

Nota: 9,0

Oriundos da capital do Chile, o Ten Richter foi criado ainda nesta década e chegou ao seu primeiro álbum completo apenas em 2016. O tempo levado para esse lançamento talvez explique a maturidade que o grupo adquiriu neste material.

A palavra que melhor define o som do Ten Richter é equilíbrio, pois é possível ouvir desde o Heavy Metal clássico até o progressivo e um pouco de Power Metal, porém o som é muito bem mesclado nessas três vertentes e com um grande acréscimo de peso. Até mesmo o vocal de Boris Cid é bem equilibrado, não abusando dos agudos, comuns nesse estilo e suas passagens são bem marcantes. As letras são em sua língua nativa e isso realmente o torna um vocalista diferenciado pelo excelente trabalho feito, pois eu nunca tinha escutado algo do tipo.

Os guitarristas Diego Caniulao e Ron Arellano fizeram um grande trabalho nos riffs e solos, sendo eles os “culpados” da forte pegada que as músicas ganharam. O teclado de Manuel Arriaza tem quase que uma vida independente no som, pois quando ele não segue as bases, dando mais peso, ele joga uma atmosfera extra em cima das composições. Ao mesmo tempo que temos passagens mais clássicas de Power Metal, também podemos ouvir alguns teclados em um estilo mais tradicionais, como o de Jon Lord (Deep Purple) quando tocava em um Hammond. O baixo de Gustavo Ramos tem a difícil tarefa de acompanhar toda a velocidade das composições e ganhou um bom destaque na mixagem. As passagens de bateria também mesclaram os estilos, indo de partes truncadas e bem técnicas, até os tradicionais bumbos duplos, comuns neste gênero musical.

A abertura do disco com a instrumental “intro-mental” já mostra a proposta do grupo e ela praticamente emenda com “Triturador”, ainda na pegada mais clássica do heavy metal e assim se estende até “Compraventa de Patria”. A banda dá uma acalmada em “Libertad Condicional” com um belo coro de abertura. O lado mais Power Metal é mais escancarado em “Esta Vez”, tendo um refrão mais alegre. O desfecho do álbum vem de forma mais soturna e pesada, com “Todo El Poder”, onde os riffs, solos e as linhas vocais ganham mais agressividade.

Com este álbum de estreia, os chilenos do Ten Richter mostraram um alto nível de técnica nas composições e oferecem um material que consegue agradar a fãs de vários estilos do Heavy Metal na linha melódica, pois temos oito faixas onde todas se destacam pela qualidade ao longo dos 38 minutos de duração do álbum. 

Victor Augusto

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *